João Pessoa, -  

  

 

SANTA CRUZ E SAGRADA FACE

Amor doação a Jesus Crucificado

A cruz de Cristo e a Sagrada Face é para nos lembrar que os que amam apaixonadamente Jesus Cristo desejam ser crucificados com Ele a fim de chegarem às alegrias da Ressurreição.

Em nosso Carisma somos chamados a doar a nossa vida como Jesus que na cruz se doou inteiramente por amor.

Vivemos uma doação incondicional pelo Reino, pela Igreja e pelo nosso Carisma, dando com isso nossa contribuição na transformação do mundo.

Contemplando a Santa Cruz e a Sagrada Face de Cristo, contemplamos o amor doação.

Somos Irmãos Oblatos da Santa Cruz e da Sagrada Face de Cristo. Nosso chamado é ser Oblação (Oferta) de amor.

“Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo.” (Gálatas 6.14)

Por várias vezes, Jesus, sem seus discursos sobre o significado de ser um dos seus discípulos, associou a expressão tomar a cruz à disposição de morrer, se preciso for, por causa do seu nome e de sua cruz.

“E quem não toma a cruz, e não me segue após mim, não é digno de mim.” (Mateus 10.38)

“Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me.” (Mateus 27.32)

Ser cristão é viver ao pé da Cruz; é a cada dia morrer MAIS para si mesmo e viver MAIS para Cristo; é crucificar as próprias vontades, prazeres e sonhos e se tornar um escravo de Cristo, como o apóstolo Paulo nos ensina (Rm. 1.1;1 Co. 7.22). Um servo que não servi mais ao mundo, mas única e exclusivamente a Cristo (I Pe. 2.9).

Viver a sombra da cruz é entender o poder do sacrifício que Cristo realizou sobre ela e os seus efeitos em minha vida. Tanto na vida presente como na vida futura. A cruz traz para nós várias conseqüências para a nossa vida tanto na área pessoal como também para as áreas social e espiritual. Viver a sombra desta Cruz é entender que o sangue que foi vertido sobre ela traz para a minha vida eterna redenção.

Quando compreendo a obra de Cristo na Cruz eu passo a ver um Deus que é presente em minha vida, que atua em mim e através de mim; o Deus Emanuel, o Deus conosco, o Deus que está perto de nós. Vejo o Cristo que me reconciliou com o Pai. “E pela cruz reconciliar ambos com Deus em um só corpo, matando com as inimizades” (Ef. 2.16).

Foi a Cruz de Cristo que trouxe paz para a minha vida alcançando os céus – “E que havendo por ele feito a paz pelo seu sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus” (Cl. 1.20).

Quando passo a entender que o Evangelho da Cruz pregado e vivido por Jesus deve ser à base de toda a nossa Espiritualidade e prática cristã, então percebo que não há lugar para as minhas vontades, para a minha soberba, prepotência ou egoísmos, mas sim para renúncias, sofrimentos e altruísmos.

Para vivermos o Cristianismo da Cruz devemos ter bem claro em nossas mentes que “não vivo mais eu, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne vivo pela fé no Filho de Deus, que a si mesmo se entregou por mim.” (Gl. 2.20).

A Espiritualidade vivenciada no Cristianismo deve ser uma espiritualidade que centralize e glorifique a pessoa de Cristo; uma espiritualidade que nos leva a entender que não vivemos mais para os nossos próprios interesses, prazeres ou desejos, mas, sim, para fazer a vontade daquele que nos chamou e nos regenerou. GLÓRIA A DEUS!

Dessa forma, Espiritualidade, Cristianismo e Cruz são conceitos que se perpassam e se confundem por causa da sua aproximação, e que a única Espiritualidade que devo viver é aquela que me leve a cada dia olhar para a Cruz, que me faça lembrar e adorar a Deus pelo que ele fez por mim e que me leve a ser, a cada dia, semelhante ao seu Filho.

Que Deus nos ajude neste propósito!

Somente a Deus seja toda a Glória!

Imprimir

topo

 

 

www.fraternidadeoblatos.net - Todos os direitos reservados